Páginas

terça-feira, 25 de abril de 2017

Que ele seja chutado, cuspido e rasgado


Pertenço a um nada seleto grupo de pessoas. Nós passamos a vida inteira perdidos, tentando encontrar um talento, uma habilidade que nos torne especiais como disseram que somos. Tentei tanto, e agora cansado, sinto-me tentado a desistir, deixar meu corpo deslizar em direção ao abismo. Por hora, deixem-me em paz e guardem seus conselhos para quem realmente queira segui-los.

Não quero saber qual a maneira mais fácil de enriquecer. Recuso-me a estudar os “comportamentos do público” para depois enganá-lo. Quero sim oferecer um coração ensanguentado, ainda batendo. Vou exibi-lo a todo o mundo e o que vão fazer ou dizer a respeito não é problema meu. Que ele seja chutado, cuspido e rasgado. Foda-se. Se um sorriso for aberto depois de tudo isso, saberei que o sacrifício valeu a pena. Há tantos corpos vazios por aí, pelo menos, a um deles serei útil.

Quero calar os falsos anjos que vendem paraísos engarrafados, incendiar o mercado de sonhos, soltar os cães em cima desses ratos. Tenho o meio, a mensagem e a consciência limpa de quem não tem nada a perder. Não alimento a ganancia de um conquistador, prefiro o ímpeto de um rebelde. Apenas peço aos meus entes queridos que me entendam, pois nesta noite o antigo eu vai morrer, nas mãos de um assassino com os dedos sujos de tinta. Desejem-me boa sorte, vou em direção ao meu norte.

Nenhum comentário:

Postar um comentário