Páginas

terça-feira, 22 de março de 2016

Acordei meio escorpiana

Tenho um pé em libra, outro, em aquário. Mas hoje acordei com meu sol brilhando intensamente. Senti vontade de conversar com meus demônios, gastar toda minha energia para senti-los, liberta-los. Levantei da cama e meus olhos chamaram minha atenção no espelho, inchados de sono, fixos no horizonte, mas magnéticos, um portal mágico que todo escorpiano esconde. Estava com os impulsos apertados, apurados, jogando-me de um lado para o outro sem tempo de pensar, de planejar o próximo passo.

Mochila preta nas costas, roupa monocromática. Postura de quem pouco fala e mais escuta. De quem balança a cabeça e observa, consegue captar o barulho mais distante, e ao mesmo tempo, teu gesto mais sutil. Expressão de quem tenta equilibrar as emoções, mas só as torna mais desordenadas. Se é pra encher o copo de cerveja, que seja no mínimo dez vezes. Se é pra trabalhar, que seja até as pálpebras tremerem, para que depois o descanso seja tão bom quanto o orgulho de fazer algo bem feito, com vontade. Visceral e impetuosa.

Sozinha no quarto com pouca luz, vejo-me em paz. Cheia de vontades a serem mortas. Pensamentos a serem alinhados. Borboletas falsas na barriga. Alimento minha autodescoberta, tentando decifrar esse ser, que por vezes nem eu entendo. E se bater o desejo, é provável que me declare antes da lua desaparecer. Que caia, desmorone. Que me coloque na posição de exagerada, rainha dos dramas.

Quem dera não fosse tão encorajada, tão "aqui e agora". Mesmo com a melhor das intenções, às vezes atropelo momentos, pulo fases, assusto os que me rodeiam com minha urgência. Tanta fome que quase engulo a vida,  a estrada. Se precisar trocar a pauta, não tem problema. Toda uma euforia que facilmente se acaba e recomeça. Surge dos picotes de papel, uma folha novinha.

Mas ruim mesmo, deve ser para aqueles que perdem aquele segundo de tesão, que não choram ao ver uma propagando bonita na tv, que ficam calculando os caminhos, não se permitem alternar rotas, que perdem aquele momento perfeito para dizer "eu te amo" sem que pareça clichê ou falso, que torcem o nariz e não experimentam aquela comida feia que pode ser deliciosa, que perdem a oportunidade de ser feliz "aqui e agora".



Nenhum comentário:

Postar um comentário