Páginas

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Por ti, amor

Eu não sei exatamente o que, em ti, me encanta. Talvez seja o fato de teres aparecido tão de repente, num momento em que eu não esperava nada, nem ninguém. Apareceste e me preencheste com tua intensidade, tão parecida com a minha. Foi rápido o suficiente para que eu não tivesse tempo de pensar, só sentir. Talvez seja a maneira que olhas em meus olhos. Talvez seja teu beijo. Talvez seja tua risada. Talvez seja teu abraço que me prende e me acarinha ao mesmo tempo.

Conseguiste restaurar minha paz, aquietar minha mente, acalmar minha alma. Já não me lembro porque tinha um coração quebrado, porque não conseguia me entregar assim, sem medo. Conseguiste me mostrar o poder da conquista sincera, sem jogos, sem nada a esconder, nem mesmo os sentimentos. Falaram-me que estou mais sorridente, meu amor, e isso é porque penso em ti e não consigo conter o sorriso. Falaram que tu me fazes bem, somos ótimos juntos.

Eu, escorpiana dos pés à cabeça, não confio facilmente, sempre penso nas piores hipóteses, nas mais diversas cenas, onde saio magoada, mas contigo vou até de olhos fechados. Contigo, não tenho medo de ser golpeada pela decepção. Não há ameças de cara rachada. E mesmo que ocorra, não será nada que um pouco de maquiagem não esconda, nada tão grave que meus band-aids não deem conta, eu tenho meus truques, tu sabes. Mesmo que ocorra, saberei que valeu a pena.

É tão bonito o que acontece entre nós, tão simples, tão forte que eu não precisava transformar em palavras, pode-se ver nos meus olhos, na minha pele, na luz que esbanjo. Mas ainda assim, eu queria te dizer, queria usar minha paixão, a escrita, para expressar outra paixão, a por ti. Queria que tu soubesse, eu não sei o que, em ti, me encanta. Talvez seja todos os detalhes que te compõe.




Nenhum comentário:

Postar um comentário