Páginas

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Ignorância Juvenil

Eu era tão jovem
Contavam-me histórias
Eu acreditava em todas
Me surpreendia, entristecia, aceitava

Eu era tão inocente
Não sabia o que acontecia
Nem aqui, nem a mil palmos abaixo de mim

Zombavam de minha inocência
Zombavam de minha juventude
E eis eu aqui
Zombando de minha própria ignorância

Já diziam os profetas
Ninguém nasce sabendo
O que eles esqueceram
É que morremos ainda sem saber

Nossa almas tão preocupadas
Com coisas irrelevantes, fúteis
Que nunca conheceremos, nem a nós mesmos

Nenhum comentário:

Postar um comentário