Páginas

quinta-feira, 17 de março de 2011

Andando pela selva.

"Reconfortante" talvez seja a palavra ideal para descrever o que se sente ao ver um pôr-do-sol deslumbrantemente alaranjado com tons de lavanda e rosa se misturando ao céu azul que vem logo atraz, formando um lindo degrade que vai escurecendo aos poucos.
Pisando suavemente na grama verde, sente-se a palha seca quebrando abaixo dos pés e a sensação de estar pisando no tapete mais macio e vasto que se pode imaginar vai inundando a mente sem deixar que os problemas se quer dêem uma espiadinha.
A musica que saí dos fones de ouvido é claramente entendida, mas não abafa o canto rebelde e desarmônico dos pássaros que vai se embalando com a voz do vento; como se ele quisesse lhe falar algo, começa a pedir sua atenção desesperadamente com o grande chacoalhamento das arvores. Obrigada a não retrucar, cedidamente os fones são retirados e a atenção é voltada a incrível orquestra da natureza que canta, quase gritando, por proteção. Só alguém muito frio conseguiria conter um largo e longo sorriso.
Sente-se aquele frescor incomparável da brisa que se joga contra seu corpo, sem esforço nenhum, com tal delicadeza de dar inveja a qualquer bailarina que gosta de saltar, quase voando gentilmente pelo ar que à envolve parecendo água, como se a moça simplesmente pudesse se colocar na horizontal e nadar.
O sol toca na pele fazendo-a esquentar de imediato enquanto clareia todo o ambiente que envolve, fazendo com que as cores fiquem mais vivas e encantadoras, deixando qualquer olho maravilhado com a imagem.
A mente já entorpecida com tanta beleza começa a se perguntar quais os mistérios, vidas, segredos e encantos que essa natureza fantástica ainda guarda.
Explorando por entre as arvores, com diferentes tipos de folhas, com formatos intrigantes e cores que parecem acariciar a visão, deparo com a gloriosa vida animal. A gigantesca e embaraçosa teia faz meus olhos se comprimirem tentando encontrar a formosa aranha grudada aos fios esbranquiçados, quase de um transparente, quase inexistente. Exatamente como você em meio de toda a exuberância do lugar mais que mágico e envolvente. Como se seus pés criassem raízes, como se tudo fizesse parte de uma única coisa: a natureza.

Um comentário:

  1. Nossa, Amanda você escreve muito bem, voc~e não sabe a sensação que me deu ao ler esse texto, nossa é como se eu estivesse nesse memso lugar, vivendo o que você escreveu, vendo cada detalhe dessa natureza, o jeito como você escreveu fez com que me levasse pra esse lugar ao ler, nossa muito foda Amanda *-*

    ResponderExcluir